Loading...

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

A filosofia de Lipman

    
      Matthew Lipman (nascido em 24 de agosto de 1922, em Vineland, Nova Jersey , morreu em 26 de dezembro de 2010, em West Orange, New Jersey ) é reconhecido como o fundador da Filosofia para Crianças . Sua decisão de trazer a filosofia para os jovens veio de sua experiência como professor na Columbia University , onde ele testemunhou habilidades de raciocínio subdesenvolvidos em seus alunos. Seu interesse era particularmente no desenvolvimento de habilidades de raciocínio, ensinando lógica . A crença de que as crianças possuem a capacidade de pensar abstratamente desde tenra idade, levou-o à convicção de que trazer a lógica para a educação das crianças mais cedo iria ajudá-los a melhorar suas habilidades de raciocínio.
      Em 1972 ele deixou a Columbia para Montclair State College para criar o Instituto para o Avanço da Filosofia para Crianças (IAPC) , onde começou a levar a filosofia em K-12 salas de aula em Montclair. Naquele ano, ele também publicou seu primeiro livro especificamente concebido para ajudar as crianças a filosofia prática, descoberta de Harry Stottlemeier . O IAPC continua a desenvolver e publicar currículo , trabalhando internacionalmente para avançar e melhorar a filosofia para crianças.

Hamlet para crianças: um espetáculo completo

Peça de Shakespeare ganha humor de palhaço sem perder o peso de tragédia de vingança, graças ao talento e à ousadia da premiada Cia. Vagalum Tum Tum


Dib Carneiro Neto

  Divulgação
Um lençol branco surge da plateia, passando pelo alto das cabeças do público. O fantasma do pai de Hamlet ‘veste’ o lençol e diz, brechtinianamente, quando o filho lhe pergunta quem é ele: “Não vê que sou um lençol branco e, no teatro, todo lençol branco é um fantasma e todo fantasma é um lençol branco?” Mais tarde, o mesmo (ou outro?) pano vira o lago em que a personagem de Ofélia se atira, cometendo suicídio, depois de enlouquecer. A atriz tira a linda capa que caracteriza sua personagem e joga no lago de pano, numa linda cena sugerida, não explícita, muito menos naturalista. Demonstrando que captou totalmente o simbolismo e as metáforas da cena e contrariando a tese de que criança precisa de tudo muito bem explicadinho, um garoto na fileira à frente da minha diz para o amiguinho do lado: “Ela se matou, né?” 

São dois exemplos que revelam a experiência ímpar que é levar as crianças para ver a mais famosa “tragédia de vingança” (se é que se pode resumir a maior peça de Shakespeare a apenas este rótulo), Hamlet ou, como foi batizada nesta montagem, O Príncipe da Dinamarca. O diretor e adaptador, Ângelo Brandini, é o mesmo que já ofereceu ao público mirim suas visões muito sapecas de Othelo (Othelito) e de Rei Lear (O Bobo do Rei). Desafiando-se a apresentar o atormentado príncipe Hamlet à garotada, Brandini superou-se em criatividade, graça, escolha de linguagens e eficiência narrativa. 

É um espetáculo completo, para todas as idades, desses que vira um crime se você tenta demarcar uma faixa etária para o público. Para as crianças, é um mundo de descobertas, sem medo de temas tabus (assassinatos, suicídios, vinganças violentas). Para os jovens, há um frescor dark e um humor frenético. E para os adultos... bem, todo adulto precisa ir ver esta corajosa montagem destinada às crianças, em que tudo se passa dentro de um cemitério e todos os personagens são “esqueletinhos” ou “caveirinhas”, ou seja, todos estão mortos. O Príncipe da Dinamarca é, sem sombra de dúvida, um dos melhores espetáculos que São Paulo já viu neste já agonizante ano de 2011. 
  Divulgação
O espetáculo não faz concessões. Todas as mortes da tragédia original de Shakespeare estão lá. Todas as indagações retóricas do príncipe-filósofo também estão lá. O brilho de Brandini-adaptador está nisso. Não modificou a trama mais conhecida da literatura ocidental, em nome do que seria uma equivocada e castrante “proteção” aos pequeninos seres em formação, enfileirados na plateia. O que a pena do talentoso adaptador fez foi rechear sua encenação de cuidados criativos, ou seja, está tudo lá, mas envolto em graça, em picardia, em linguagem de histórias em quadrinhos, em truques de circo-teatro, em tropeções clownescos, em “doutores da alegria”, e assim por diante. 

Cada cena que poderia chocar ou espantar a garotada (como se isso ainda fosse possível diante de tudo o que veem na TV e na internet) usa um recurso diferente para lembrar a todos, o tempo todo, de que “isso é teatro”, ou seja, “isso é representação da vida”. Puro Brecht. Por exemplo, o fantasma do pai diz a certa altura: “Ah, tá bom, vou ter de repetir o velho truque de desaparecer!” Outro exemplo está no final, quando há aquele banho de sangue proposto por Shakespeare e os personagens principais vão morrendo um a um. Nesta montagem de Brandini, cada um que morre volta a “vestir” seu nariz de palhaço (que aqui é espertamente preto, e não vermelho) e faz uma reverência ao público, pedindo aplausos. Ou seja, nada é realista, não passa um minuto sem que Brandini lance mão de uma boa tirada ou um recurso de Brecht, para que as crianças embarquem no jogo teatral. Não há nada mais reverente a Shakespeare do que montar seu Hamlet, que afinal tem uma peça dentro da peça, com esse vigor cênico, essa ousadia dramatúrgica e essa renovação de linguagem. 

A conhecidíssima cena do solilóquio “ser ou não ser” é uma achado desta divertida montagem, já que os dois personagens-narradores são coveiros cujos nomes são Ser e Não Ser. Isso vira mote para um jogo de palavras muito bom e inteligente. Não bastasse, Brandini faz toda a cena ser feita com um bastão de circo (jogos malabares), em vez da tradicional caveira nas mãos de Hamlet. E muitos pontos de interrogação foram desenhados no bastão, dando um significado simbólico brincalhão ao objeto, remetendo a todas as dúvidas que acometem o pobre príncipe, que quer vingar a morte do pai, tramada pelo tio. 

A iluminação de Lígia Chaim é acertadíssima. Dialoga bem com o “clima” do cemitério e, por conseguinte, de todo o espetáculo. A canção dos coveiros é uma delícia e contagiante. A trilha de Fernando Escrich ainda brinca, na coroação do rei, com a sonoridade de uma conhecida música de baladas, cujo refrão é “Hey!”, que soa como se fosse a palavra rei. Sutilezas de uma montagem cuidadosa em todos os quesitos. 

No elenco, sempre afinado e homogêneo, com todos os talentos da Cia. Vagalum TumTum, desta vez tem brilho especial o hilariante “vilão” Cláudio, feito com maestria por Davi Taiú, forte candidato a prêmios neste ano. Anderson Spada é Hamlet, Christiane Galvan é Ofélia, Erickson Almeida é Laertes, Teresa Gontijo é Polônio e o coveiro Não Ser e Val Pires é o coveiro Ser. E todos, sem exceção, são caveirinhas... Não perca. Seus filhos vão aprender brincando que há mais mistérios entre o céu e a terra do que supõe nossa vã filosofia. E o resto é silêncio. 

SERVIÇO:
O Príncipe da DinamarcaTemporada: só até 27 de novembro, sábados e domingos, às 19h
Local: Teatro Alfa – Sala B. R. Bento Branco de Andrade Filho, 722 - Santo Amaro
Telefone: (11) 5693-4000. 
Duração: 55 minutos. 
Preços: crianças até 12 anos: R$ 12; Adultos: R$ 24

A EDUCAÇÃO É A SOLUÇÃO!

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Coleção Um Novo Olhar Filosófico


 
EDITORA EDJOVEM LTDA
Rua Vicente Leite, 2900 - Parque Adahil Barreto
Cep.: 60.170-151 - Fortaleza/Ce.
CNPJ: 09.698355/0001- 57
Tel.: (85) 3257 4596
E-Mail: editoraedjovem@hotmail.com
VENDA DIRETA
Fones: (85) 3257-4596/3257- 4996
FAX: (85) 3257-4596
 
DISTRIBUIDORES
 
REGIÃO NORDESTE
 
CEARÁ
 
EDITORA MUNDIAL 
Av. Filomeno Gomes, 670 - Jacarecanga
Cep. 60010-281
Fortaleza/Ce Tel (85) 3238-2323
E-mail: mundialceara@uol.com.br
 
CASA DO PROFESSOR
Rua Soriano Albuquerque, 330
Cep.60130-160
Fortaleza/CE
Fone/Fax: (85)3099.2112
E-mail: casadoprofessor@live.com
 
PIAUÍ
   
EDITORA MUNDIAL 
Rua Albertino Neiva, 2176 –São João
Cep. 64-002-280
Fones: (86) 3221.3998
Teresina- PI
E-mail: mundialp@uol.com.br

PARAÍBA

MDL DIST. DE LIVROS LTDA.
Rua Joaquim Nabuco, 163- Roger
Cep: 58020-510 – João Pessoa -PB
FONE: (83) 3222.1166
 
 
MARANHÃO
MUNDIAL EDITORA LTDA
Av. Getúlio Vargas, 181- Apeadouro
Cep: 65040-000 – São Luís –MA.
FONE: (98) 3243.0353
 
IMPERATRIZ – MA
MUNDIAL DISTRIBUIDORA DE LIVROS LTDA
Rua Rafael  de Almeida Ribeiro, 25 A- São Salvador
Cep: 65903-405 – Imperatriz – MA
Fone: (99) 3072.0409 / 9651.2628
E-mail: marivaldocardoso@yahoo.com.br
 
ALAGOAS

D.P. COMÉRCIO E REP. DE LIVROS LTDA.
Parque Gonçalves Lêdo, 08 – C. Farol
Cep: 57051-340 Maceió – AL
Fone: (82) 3336.8277

BAHIA

PAROLE COM. E REP. DE LIVROS LTDA.
Rua Machado de Assis, 16 – Brotas
Cep: 40285-280 — Salvador –BA
Fone: (71) 3277.8621
E-mail: vendas@parolebooks.com
 
RIO GRANDE DO NORTE

MUNDIAL EDITORA LTDA.
Av. Rio Branco, 414 – Cidade Alta
Cep: 59025-000 – Natal – RN
Fone: (84) 3211.0790
 
SERGIPE

JP LIVROS E PRESENTES LTDA
Praça Olimpio Campos, 697 – Centro
Fone: (79) 3211.2018/ 3214.0514
Cep: 49010-040 – Aracaju - SE
 
 
REGIÃO NORTE
 
PARÁ

SOMENSI UNO CONSTRUÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS LTDA
Rua Tv São Pedro, 406
Cep: 66023-540 – Belém – PA
Fone (91) 4006.5666

TOCANTINS

TOCANTINS EDUCATIVA DISTRIBUIDORA DE LIVROS LTDA
104 Norte Conj. 02 Lote 02- Salas 01 e 02
Cep: 77006-208 – Palmas – TO
Fone: (63) 3213.1303

 
REGIÃO SUDESTE

ESPÍRITO SANTO

REPRESENTAÇÕES PAULISTA LTDA.
Av. José Martins M. Rato, 947 – B. de Fátima
Cep: 29160-790 – Serra – ES
Fone: (27) 3204.7474

MINAS GERAIS

RHJ LIVROS – BELO HORIZONTE
Rua Cuiabá, 415 – Prado
Cep: 30410-140 – Belo Horizonte - MG
FONE: (31) 3334.1566 – FAX: (31) 3332.5823

RHJ LIVROS – UBERLÂNDIA
Rua Espírito Santo, 1100 – Bairro Brasil
Cep: 38400-660
Fone: (34) 3211.7004 – FAX: (34) 3211.7008

RIO DE JANEIRO

SOLÊRIO DIST. E COM. DE LIVROS LTDA.
Rua da Carioca, 33 – Centro
Cep: 20050-008 – Rio de Janeiro –RJ
Fone: (21) 2210.5101 –FAX(21) 2241.4748

SÃO PAULO

PLANET BOOKS LTDA.
Rua dos Trilhos, 2201 – Moóca
Cep: 03168-010 – São Paulo - SP
Fone: (11) 2976.8868 – FAX:( 11) 2076.8869

REGIÃO CENTRO-OESTE

DISTRITO FEDERAL

RHJ LIVROS
SCRLN, 706/707 – Bloco E Loja 28
Cep: 70740-707 – Brasília - DF
Fone: (61) 3349.6062 –FAX :(61) 3349.0309

GOIÁS

RHJ LIVROS
Rua 70, 386 – Quadra 125 – Lote 40 Setor Central
Cep: 74055.120 – Goiânia -GO
Fone: (62) 3213.3300 – FAX: (62) 3223.7498

MATO GROSSO DO SUL

ALUÍSIO PAULO B.F. DE C. FILHO
Rua Maracajú, 607 – Vila Cidade
Cep: 79002-210 – Campo Grande - MS
Fone: (67) 3321.1077

sábado, 20 de agosto de 2011

Caruaru usa cordel na educação infantil

Com a iniciativa da Academia Caruaruense de Literatura de Cordel, na Capital do Agreste, os estudantes aprendem a escrever poesias e mantêm viva a tradição

Pedro Romero

CARUARU - Um projeto inovador tem usado a literatura de cordel como instrumento de educação nas escolas municipais de Caruaru, no Agreste. No Cordel nas Escolas, estudantes aprendem noções de métrica e rima e escrevem suas próprias poesias, ajudando também a manter viva essa tradição. A iniciativa é da Academia Caruaruense de Literatura de Cordel (ACLC), que funciona na Capital do Forró. O cordel também tem ampliado o espaço na região e virou indicação de leitura para o vestibular da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Caruaru (Fafica).

No projeto Cordel nas Escolas, adotado pela prefeitura, seis integrantes da Academia de Cordel atuam como arte-educadores nas atividades desenvolvidas no Centro de Atenção Integral à Criança e ao Adolescente (Caic), que tem a participação de cerca de 200 estudantes. "Trabalhamos a rima, a métrica e a oração dentro da poesia. Para que os alunos possam aprender a escrever e declamar poesias, usamos técnicas de teatro e a música", explica o arte-educador Nerisvaldo Alves, fundador da ACLC.

"Gosto muito das aulas, é legal. Já escrevi muitos versos sobre professores e outros assuntos. Acho que também ajuda a gente a aprender", diz Geisiane Mirele dos Santos, 10, aluna do quinto ano. John Henrique da Silva Santos, 12, da sétima série, também já escreve versos com facilidade. "Você expressa seus sentimentos e pensamentos", destaca. As aulas acontecem quatro vezes por semana.

O projeto começou em 2004 e já se transformou em livro e DVD, com apresentações teatrais de alunos de várias escolas da rede pública do município. O livro Projeto Cordel nas Escolas - Trabalhando a História de Caruaru, foi lançado em 2007. O DVD, de 2008, também tem como base a história da cidade.

De acordo com o professor Nerisvaldo Alves, no momento está sendo feita uma coletânea de poemas dos alunos que integram o projeto para a publicação de um livro, prevista para o fim deste ano. A iniciativa também é desenvolvida no Centro Social São José do Monte, instituição que atende a crianças carentes dos bairros São Francisco e Centenário.

"O cordel está em evidência, está em novelas e sendo debatido em associações e instituições de vários Estados. Também foi tema da Feira Nacional de Artesanato (Fenearte) este ano", ressalta o arte educador.

ACADEMIA - A Academia Caruaruense de Literatura de Cordel foi fundada em maio de 2005 e tem como patronos o cordelista Olegário Fernandes da Silva e o poeta, ator, radialista, compositor e pesquisador Lídio Bezerra Cavalcanti, ambos fundadores do Museu do Cordel em Caruaru. De acordo com o estatuto, sua finalidade é promover o intercâmbio e desenvolvimento cultural, social, sexual, político e econômico.

A academia é composta por 20 cordelistas ou xilógrafos e conta com bandeira, hino, cordel, xilogravura, flâmula, brasão, selo, carimbo, medalha e traje acadêmicos oficiais. O seu lema é Cordel e Xilogravura: união de artes seculares.
Fonte:
http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cidades/regional/noticia/2011/08/20/caruaru-usa-cordel-na-educacao-infantil-13498.php

A FILOSOFIA VAI À ESCOLA










O ensino da filosofia nas escolas de Ensino Fundamental e Médio é aqui defendido como uma forma de oferecer às crianças e aos jovens a oportunidade de discutir conceitos universais e desenvolver um espírito crítico e investigativo.