Loading...

sábado, 20 de setembro de 2014

Fugindo do moedor de carne

Somente a disciplina, característica ligada à virtude da moderação, pode nos livrar de termos nossos sonhos tragados pelo ritmo frenético do cotidiano

 por Lilian Graziano
Imagem: Shutterstock 
Dizem que uma das medidas da realização humana seria um conjunto de três ações distintas: conceber um filho, escrever um livro e plantar uma árvore. Nesse sentido, comecei cedo. Tornei- -me mãe aos 20 anos e, apesar da pressa em relação à maternidade, demorei mais 20 anos para plantar uma árvore. Foi no meu aniversário de 40 anos que decidi me dar de presente uma jabuticabeira, não sem o cuidado de comprá-la já adulta, a fim de fugir da conhecida lenda que, baseada no lento crescimento da árvore, diz que aquele que planta uma jabuticabeira nunca chega a comer seus frutos. Tenho dúvidas em relação a se deveria tê-la plantado a partir da semente para que o ato fosse "oficialmente" julgado como indicativo de realização. Talvez tenha "trapaceado" nesse quesito, mas me sinto confortável em relação a ele.
Meu desconforto, por outro lado, diz respeito ao livro. Tecnicamente, tenho um livro publicado, embora não no mercado brasileiro. Fiquei contente quando recebi um convite de uma editora alemã para que minha tese de doutorado fosse transformada em livro e vertida em Inglês para lançamento no mercado estrangeiro. Mas, talvez, por se tratar da minha tese, eu não a veja como um livro. Assim sendo, fiquei com essa pendência em relação à minha realização.
É quando entra em cena o famoso "moedor de carne". Para quem ainda não conhece a expressão, segue a descrição que levará o leitor, tenho certeza, à construção de uma imagem que lhe fará se dar conta de sua total intimidade com o drama descrito por ela.

LIGAMOS NOSSO METAFÓRICO MOEDOR DE CARNE EM VOLTAGEM 220, TODOS OS DIAS, PELA MANHÃ. EM SEGUIDA, ENTRAMOS DENTRO DELE (ISSO MESMO! DENTRO DELE!) E LÁ PASSAMOS O NOSSO DIA, TRAGADOS POR SEU RITMO FRENÉTICO E IMPLACÁVEL
Ligamos nosso metafórico moedor de carne em voltagem 220, todos os dias, pela manhã. Em seguida, entramos dentro dele (isso mesmo! Dentro dele!) e lá passamos o nosso dia, tragados por seu ritmo frenético e implacável. Depois, à noite, os mais saudáveis conseguem desligá-lo, saindo dele antes de dormir. Os mais "comprometidos" sofrem com insônia e/ou sono agitado, sinal de que seus moedores continuam funcionando e - o pior - de que permanecem dentro deles.
Vejo esse "moedor de carne" como um de nossos piores inimigos. E, infelizmente, saber de sua existência nem sempre garante que eu não seja uma de suas vítimas. Foi por causa do moedor de carne que, até hoje, não concluí meu livro teórico sobre Psicologia Positiva, uma eterna pendência na área de trabalho do meu computador.
No início deste ano, fui surpreendida pela sugestão de uma amiga para que eu "publicasse" um livro de Psicologia Positiva que não fosse teórico, mas, sim, que mostrasse a vida a partir do olhar da Psicologia Positiva. Achei a ideia bastante interessante, mas lembrei a ela que antes de "publicar" o tal livro, eu precisaria escrevê-lo, o que meu moedor de carne, definitivamente, não permitiria. Sobretudo neste ano.
Foi quando ela me disse que eu já havia escrito o livro. Segundo ela, o tinha feito ao longo dos últimos quatro anos em que mantive minha coluna Psicopositiva na revista Psique Ciência&Vida. Minha amiga tinha razão. Sem que eu me desse conta, a disciplina de manter uma coluna mensal havia me levado à realização de produzir um material que poderia ser transformado em livro.
Não pude deixar de notar que para fugir do moedor de carne só nos resta a disciplina. A mesma disciplina tão desafiadora para quem tem o autocontrole como sua 24ª força pessoal...
Imagem: Shutterstock

Lilian Graziano é psicóloga e doutora em Psicologia pela USP, com curso de extensão em Virtudes e Forças Pessoais pelo VIA Institute on Character, EUA. É professora universitária e diretora do Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento, onde oferece atendimento clínico, consultoria empresarial e cursos na área.
graziano@psicologiapositiva.com.br
 Fonte:http://portalcienciaevida.uol.com.br/esps/Edicoes/103/artigo323787-1.asp


Afirmar você e o seu brilho

A assertividade é o conceito que melhor representa as características de quem está no controle da própria vida e não à mercê dos eventos, manifestando as próprias capacidades e necessidades no contexto pessoal e social

por Eduardo Shinyashiki

 Imagem: Shutterstock
A assertividade é o conceito que melhor representa e expressa todas as características de quem está na direção da própria vida, e não à mercê dos eventos, de quem realiza a si mesmo, manifestando as próprias capacidades e necessidades no contexto pessoal e social.
O termo assertividade deriva do latim asserire, com o significado de afirmar a si mesmo, sustentar a própria opinião. Nesse sentido, ser assertivo significa saber expressar, de forma clara e eficaz, as próprias emoções, ideias e direitos, sem assumir uma atitude agressiva em relação ao interlocutor, respeitando o seu posicionamento.
Num contexto mais amplo, assertividade se relaciona, também, com eficácia pessoal, eficiência, afirmação, habilidade social e competências emocionais.
Muito legal, não é mesmo? Porém, nem sempre é fácil ter uma postura assertiva. Especialmente, no contexto profissional acontece que, às vezes, deixamos que as nossas ideias sejam desqualificadas e não consideradas, o que nos inspira a ter reações contrárias, como ofender ou humilhar as ideias dos outros.
Saber expressar e defender as próprias opiniões e pontos de vista, sem agredir ou ofender, tem como pressuposto principal uma atitude interna de autoestima e a autoconfiança.
Ser assertivo pressupõe, principalmente, conhecer a si mesmo. Essa óbvia constatação é, na realidade, a mais árdua a ser trabalhada, pois significa desenvolver a autoestima, o próprio posicionamento diante do mundo, o autoconhecimento e o fortalecimento das competências emocionais. O respeito aos valores humanos significa reconhecer que o ser humano é um ser social e que a qualidade das suas relações interpessoais é a fonte principal da felicidade.
É necessário desenvolver habilidades práticas ligadas, por exemplo, à maestria na comunicação verbal e não verbal. Além disso, estar sempre disposto a aprender, estar aberto ao novo, ao conhecimento, às mudanças dos contextos e à analise dos cenários, contribui para a assertividade.
Esse é um processo contínuo de amadurecimento, em que não é somente necessário aprender coisas novas, mas, especialmente, aprender a ver as coisas com novos olhares.
Isso se traduz no exercício do equilíbrio entre o amor próprio e a humildade, entre ocupar o próprio espaço e o respeito pelo espaço do outro, onde a ideia de reciprocidade é intrínseca e essencial. Quer dizer ter a consciência de si mesmo, interagindo com as outras pessoas, reconhecer aos outros o mesmo direito de comunicar as próprias convicções e de seguir em busca dos próprios objetivos e, nesse diálogo, poder crescer e evoluir, utilizando o outro como espelho, colocando em confronto ideias, formas de pensar, sentir e ver o mundo.
A passividade é uma condição caracterizada por uma constante submissão ao outro e ao contexto, e do medo de defender os próprios pontos de vista para tutelar os seus objetivos. A pessoa passiva não consegue influenciar outras pessoas, pois são os outros que a influenciam. Elas enfrentam os problemas, preocupações e necessidades alheias, antes de solucionar as próprias. No contexto profissional, a pessoa passiva cria dúvidas e desequilíbrios pela falta de foco e atitude.
No oposto, a pessoa que assume um comportamento agressivo tenta impor as suas opiniões para chegar aos seus interesses, sem respeitar o outro. Sem espírito de equipe, essas pessoas não sabem colaborar e nem controlar a raiva, criando conflitos no contexto profissional e na cooperação e integração com os colaboradores e grupos, tornado as ações sem lógica e sem sentido.
Desse modo, se pensarmos melhor, podemos ver que o núcleo central da assertividade é a ideia de liberdade, compreendida como capacidade de se libertar de condicionamentos negativos e comportamentos limitantes, além de fortalecer a capacidade de se expressar de forma mais evoluída, respeitosa e eficaz, aprendendo a lidar, de maneira adequada, com as emoções e as necessidades pessoais, sem entrar no sentimento de ansiedade, desconforto, medo ou raiva. Isso leva a viver o real conceito de liberdade.
A assertividade é uma qualidade chave das pessoas de sucesso, realizadas e focadas nos resultados, atentas a flexibilizar e suavizar os defeitos que caracterizam a passividade e a agressividade para se tornar mais assertivas e conseguir influenciar os outros e a organização em que trabalham.
O resultado disso tudo é uma maior oportunidade de carreira, pois, no trabalho, o profissional assertivo tem uma atitude disponível e colaborativa com a equipe, assume as próprias responsabilidades, decisões, ações e, também, erros. Viva a autonomia de criar a realidade que deseja viver, com tudo e todos ao seu redor.
Imagem: Shutterstock
Eduardo Shinyashiki é palestrante, consultor organizacional, escritor e especialista em Desenvolvimento das Competências de Liderança e Preparação de Equipes. Presidente da Sociedade Cre Ser Treinamentos, colabora periodicamente com artigos para revistas e jornais. Autor dos livros Viva como Você Quer Viver, A Vida é um Milagre e Transforme seus Sonhos em Vida - Editora Gente. Para mais informações, www.edushin.com.br

Fonte:  http://portalcienciaevida.uol.com.br/esps/Edicoes/103/artigo323788-1.asp

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

O jovem Sócrates

 
Autor: Nonato Nogueira
Acabamento: Brochura
Formato: 18 x 23,5
Número de páginas: 32
Sobre a obra: Você já pensou em desvendar os mistérios da vida? Em questionar-se sobre a natureza das coisas, dos sentimentos, das ações e até da própria existência? No conto Sócrates e seus amigos o autor Nonato Nogueira imagina o grande filósofo grego Sócrates como um menino que ainda convive com seus pais Sofronisco e Fenareta, mas que já é questionador, discutindo sobre tudo o que lhe vem à cabeça e criando em seus amigos a curiosidade reflexiva do filósofo. Conhecer essa narrativa que nos leva a caminhar pela antiga Grécia com Sócrates e seus companheiros de juventude, despertará no leitor o desejo de também se tornar um amigo da sabedoria.